O bom líder sente culpa. Será?

Desenvolvimento de Líderes. Equipe motivada.Profissionais que se sentem culpados por não terem feito algo ou feito errado, revelam-se melhores líderes. A afirmação é de uma Pesquisa da Universidade de Stanford, divulgada no Wall Street Journal e publicada no site da Universidade.

Conduzido por uma doutoranda e um professor de comportamento organizacional, o estudo envolveu 520 pessoas e três experimentos. Sobre o resultado, o consultor em gestão de pessoas e autor do livro Vencer é ser você, Eduardo Ferraz, explica que “quem é muito responsável se sente no dever de fazer sempre o melhor possível e quando isso não acontece se sente culpado.

Além disso, a questão, segundo o especialista, é mais uma prova do quanto as características da personalidade influenciam nas atitudes de um profissional em seu ambiente de trabalho. As pessoas com esse tipo de tendência à culpa, geralmente, são mais meticulosas e organizadas. Por serem extremamente responsáveis, preocupam-se mais com as pessoas e com os prazos.

Além disso, estas pessoas, são muito exigentes com os outros e, sobretudo, consigo mesmas. Por darem exemplo acabam sendo melhores líderes.

A diferença entre o remédio e o veneno é a dose

Tenho sempre muito receio de conclusões deste tipo. Buda dizia que “a vida é como a corda de um violão, se estiver frouxa não vai emitir som algum, se esticar demais arrebentará”, acredito que cabe perfeitamente neste caso.

Pegando a definição do sentimento de culpa publicado na Wikipédia temos: “O sentimento de culpa é o sofrimento obtido após reavaliação de um comportamento passado tido como reprovável por si mesmo. A base deste sentimento, do ponto de vista psicanalítico, é a frustração causada pela distância entre o que não fomos e a imagem criada pelo superego daquilo que achamos que deveríamos ter sido”, o que daria total razão à pesquisa.

O que não se explica facilmente é o resultado que o sentimento de culpa causa numa pessoa, acho muito difícil dizer que ele por si só gera bons líderes, pois se isto fosse verdade o número de suicidas dentro das empresas não estaria crescendo tanto como mostra o excelente trabalho da Fundação Getúlio Vargas, Suicídio: Um Problema Organizacional.

Há outros sentimentos mais nobres que nos fazem ser melhores como a gratidão, a criatividade, o engajamento. Já é hora de evoluir e cultivarmos relações melhores, seja no trabalho ou em casa.

feedSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto, seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.