Inadimplência cai pela 1ª vez em 14 anos

cuidados_na_previdência_privadaO maior rigor na concessão de crédito e a maior preocupação dos consumidores em quitar suas dívidas contribuíram para o recuo.

O Indicador Serasa Experian de Inadimplência do Consumidor encerrou o ano de 2013 com queda de 2,0%, na comparação com o ano anterior.

É o primeiro declínio no acumulado anual registrado pelo indicador desde o início da sua série histórica, em 2000 (veja quadro abaixo). Na variação anual – dezembro de 2013 contra o mesmo mês de 2012 – o indicador também caiu 6,5%, sendo esta a sétima queda mensal consecutiva na comparação interanual.

clip_image002

De acordo com os economistas da Serasa Experian, a manutenção de , o maior rigor na concessão de crédito por parte das instituições financeiras e a maior preocupação dos consumidores em quitar suas dívidas em vez de assumirem novos financiamentos, impulsionaram o recuo da inadimplência durante o ano passado.

A queda de 2,0% na inadimplência dos consumidores em 2013 foi puxada pelo recuo de 9,4% no volume de cheques devolvidos (2ª devolução por falta de fundos) e pela queda de 4,8% na inadimplência das dívidas não bancárias (cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica, água, etc.). Já junto aos bancos, a inadimplência em 2013 subiu 0,6%, ao passo que o ano passado também presenciou uma alta de 5,8% no volume de títulos protestados.

Dezembro de 2013

Em dezembro de 2013, na comparação com o mês anterior (novembro), a inadimplência do consumidor registrou alta de 2,7%.

As dívidas não bancárias (junto aos cartões de crédito, financeiras, lojas em geral e prestadoras de serviços como telefonia e fornecimento de energia elétrica, água etc.) e os cheques sem fundos apresentaram variações positivas de 6,9% e 4,0% e contribuições de 2,9 p.p. e 0,4 p.p..

Já a inadimplência com os bancos e os títulos protestados registraram variações negativas de 1,2% e 6,1% e contribuições negativas de 0,5 p.p. e 0,1 p.p. em dezembro de 2013. 

Valor médio dos títulos protestados encerra 2013 em queda

O valor médio dos títulos protestados fechou 2013 com queda de 4,5%, na comparação com o mesmo período do ano anterior. As dívidas não bancárias também caíram 2,3%. Já os cheques sem fundos encerraram 2013 com alta de 7,9%. As dívidas com os bancos não apresentaram variação. Confira mais informações na tabela abaixo:

Modalidades de Inadimplência

Valor médio das dívidas Jan a Dez 2012

Valor médio das dívidas Jan a Dez 2013

Variação (%)

Títulos protestados

R$ 1.452,95

R$ 1.387,24

-4,5%

Dívidas não bancárias

R$ 322,60

R$ 315,12

-2,3%

Cheques sem fundos

R$ 1.526,11

R$ 1.645,91

7,9%

Dívidas com os bancos

R$ 1.310,31

R$ 1.309,87

0,0%

Fonte: Serasa Experian

feedSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto, seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.