Planejamento de Carreira | Porque fazer o seu

Planeje sua carreiraManifestações, instabilidade política, números desencontrados sobre a economia brasileira, tudo isto te deixa confuso? Pois, além deste cenário 2013 vem revelando boas oportunidades de emprego, mas fazer o planejamento estratégico de sua carreira é essencial para conquistar sua lugar ao Sol.

 

O crescimento brasileiro no ano de 2012 ficou contabilizado em 0,9% pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mas, será que o baixo desempenho no ano passado trará mudanças negativas no mercado de trabalho neste ano? Para o diretor-executivo do Instituto de Desenvolvimento de Conteúdo para Executivos (IDCE), Fabrício Barbirato, a resposta é que deve existir cautela: “O Brasil vai crescer porque a classe empresarial é muito forte e possui um lobby de peso dentro do cenário político. Mas ainda assim alguns fatores podem atrapalhar, como a Medida Provisória de concessão de infraestrutura, a divisão dos royalties do petróleo, a capacidade do país de investir em estrutura de tecnologia e principalmente na capacitação da mão de obra em todos os níveis”.

Um dos motivos para se esperar o aquecimento de alguns setores da economia brasileira são os grandes eventos esportivos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas. “Vão abrir oportunidades em toda a área de entretenimento, seja no mercado hoteleiro, restaurantes ou empresas de marketing esportivo.” pontua Fabrício. Esses eventos já estão gerando empregos diretos e indiretos e se configuram em uma grande oportunidade para os profissionais alavancarem suas carreiras. “, e um volume ainda maior de empregos temporários”, afirma Barbirato. Mas a busca por empregos nessas áreas não é simples, pondera. Se preparar e planejar estrategicamente a carreira são alguns dos requisitos para as oportunidades disponíveis. “, além de toda literatura disponível em várias mídias distintas. , que é a base atual para mais de 80% das contratações.” complementa.

No entanto, existe escassez de mão de obra especializada no país. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Brasil é um dos países que menos forma engenheiros e profissionais especializados. São apenas 30 mil por ano, enquanto países como Rússia e Índia formam mais de 110 mil profissionais anualmente. A China, por sua vez, entrega ao mercado cerca de 300 mil engenheiros todo ano. Para que esse cenário seja revertido, é necessário haver uma integração maior entre governo, empresas e trabalhadores “O investimento em educação é o pilar principal em que a política governamental deve se basear para sanar esse problema. As empresas sérias e estruturadas fazem o dever de casa, mas isto tem que passar pela esfera pública, para poder atender as pequenas e médias empresas que também pagam impostos e geram trabalho, apesar de não investirem em capacitação. E, principalmente, mudar a cultura de conveniência desta geração de profissionais, que quer tudo pronto”, afirma.

O profissional deve, desde o momento da escolha e início de um curso de graduação ou de nível técnico, pensar em uma carreira a ser seguida, levando em consideração que as melhores oportunidades de mercado estão inseridas em indústrias consideradas globais, onde a atuação independe de fronteiras de cidades ou países e das quais o mundo necessita para crescer. Para Fabrício Barbirato, o grande problema está no fato de as pessoas não saberem efetivamente como buscar as posições que estão disponíveis e necessitam de qualificação. “O processo de colocação ou recolocação é simples e lógico, mas requer estratégia e, acima de tudo, conhecimento do passo a passo”, finaliza.

Tenha equipes profissionais de alta performance

feedSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto,seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.