Papa Francisco: líder com estilo pessoal

Papa-Francisco-en-AngelusO papa Francisco já se despediu do Brasil, mas suas lições certamente vão continuar impactando pessoas e instituições. Deixando de lado questões religiosas, o papa Francisco deu uma grande aula de liderança moral mantendo a coerência entre o discurso e a prática.

Há anos o mundo vive uma enorme crise de liderança, crise que no Brasil é ainda mais acentuada. Afinal, os piores exemplos vem de quem se espera o mínimo. Líderes políticos, empresariais e até mesmo religiosos se acostumaram a pregar uma coisa e praticar outra. Falam em honestidade, mas valorizam as vantagens pessoais; falam em ética, mas adoram um acordo por baixo do pano; falam em solidariedade, mas deixam a população ao descaso.

Confesso que durante a escolha do papa, torci para que tivéssemos um representante brasileiro, mas o comportamento do papa Francisco elimina qualquer restrição ao fato de ser argentino. Mas o que de fato me agrada nele é a . Mostra que não é preciso pompa, elitismo ou luxo para ser grande. Seus gestos são humildes e a fala é simples, mas suas ideias são grandiosas. Várias de suas falas merecem atenção, mas numa delas disse: “se não seguirmos pelo caminho do encontro e do diálogo, todos perderemos”.

Esta frase resume o papel do líder em qualquer organização! Sem diálogo e sem a disposição para o encontro de ideias, para a conversa honesta e transparente, todos fracassaremos. Já se foi o tempo em que o líder da empresa se diferencia por ter vaga cativa no estacionamento; já se foi o tempo em que o líder se diferencia por não almoçar junto com os outros colaboradores. Hoje ; que incorporem a missão de sua empresa de modo que ela possa ser vivida no dia-a-dia.

“Não há lugar para o idoso, nem para o filho indesejado; não há tempo para se deter com o pobre caído à margem da estrada. Às vezes parece que, para alguns, as relações humanas sejam regidas por dois dogmas modernos: eficiência e pragmatismo”, disse Francisco em missa para o clérigo na Catedral Metropolitana do Rio. Como grande líder está nos lembrando que o mundo é feito de pessoas e não de máquinas, que para fazer com que as pessoas superem seus limites, primeiro precisam ser tratadas com respeito.

Em outra frase, mostra o quanto está disposto à levar seu modelo de liderança em frente: “Não estou respeitando as regras e fazendo a maior bagunça”

As organizações precisam de um novo líder, de um novo modelo de relação, de um novo sentido para o trabalho. O papa foi embora, mas deixa uma tremenda lição.

A busca por um novo modelo de liderança

feedSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto,seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.