Trabalho e Você: quem manda em quem?

você_é_feliz_no_trabalhoDescubra se o trabalho já se tornou um vício

Em um mercado de trabalho cada vez mais competitivo, um dos maiores desafios dos profissionais modernos tem sido atingir o .  Na contramão desta necessidade, o ambiente corporativo tem demandado cada dia mais compromisso e entrega e, portanto, consumindo cada vez mais o tempo das pessoas.

Segundo Mariana Almeida, gerente de Recursos Humanos da Mega Sistemas Corporativos, toda equipe tem aquele profissional reconhecido como o tradicional “workaholic” ou viciado em trabalho. “A origem do termo ‘workaholic’ vem da palavra ‘alcoholic’ (alcoólatra) e define aqueles que são declaradamente viciados em trabalho, que depositam nele toda a sua energia produtiva e de maneira compulsiva, tornando-se, muitas vezes, alheios à vida cotidiana. São pessoas que, geralmente, trabalham sem parar, pressionadas por algum fator que nem mesmo elas compreendem integralmente”, explica.

Mas, ao perceber esse comportamento, é importante saber que dedicação demais ao trabalho nem sempre é sinônimo de problema. “Nesse cenário, também podemos identificar o ‘worklover’, termo que corresponde àquelas pessoas que, na verdade, são apaixonadas pela sua profissão. Estes indivíduos são movidos, única e exclusivamente, pelo amor àquilo que fazem e pela profissão que escolheram”, destaca a executiva.

Segundo Mariana, é muito importante saber em qual perfil o profissional se encaixa, para que ele evite ultrapassar a linha tênue que separa a paixão do vício. “Ser ‘workaholic’ é extremamente perigoso para a saúde do corpo e da mente. Além das tradicionais insônia e ansiedade, primeiros sintomas percebidos pela pessoa, fala-se muito da Síndrome do Burnout, nome dado a um estresse ocupacional, caracterizado pelo desgaste físico e emocional, muito similar à depressão, mas com o foco no próprio rendimento profissional. Quem está nesse estágio necessita, além de ajuda especializada, repensar todas as escolhas relacionadas à carreira”, explica.

Para a gerente de Recursos Humanos, o primeiro passo para o “workaholic” recuperar o seu equilíbrio psíquico é isolar as fontes de stress e tentar neutralizá-las. Para isso é imprescindível parar alguns minutos todos os dias para listar pessoas, atividades e projetos que podem tornar a sua rotina mais interessante e prazerosa.

Também é muito importante trabalhar com seriedade na eliminação de obrigações desnecessárias, somente assim será possível ganhar tempo livre para o lazer, atividades esportivas e culturais e, sobretudo, para estreitar os relacionamentos familiares e sociais. “Recomendamos ao ‘workaholic’ que pese cada problema individualmente, analisando toda a carga de stress que cada um produz em sua vida. Atingir esta consciência pode trazer de volta a motivação e a criatividade para as tarefas do dia a dia”, finaliza.

Call to Action Caminhando Junto

feedSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto,seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.