RH | Meritocracia e engajamento

meritocracia_e_engajamentoA meritocracia é um modelo de gestão que busca equalizar os desafios estratégicos da empresa, garantindo produtividade e contribuição de seus funcionários por meio da premiação e do apoio daqueles que entregam o prometido e alcançam suas metas. Mesmo trazendo benefícios tanto para a empresa quanto para os profissionais, esse modelo pode encontrar resistência por parte dos próprios funcionários.

Segundo Eduardo Carmello, consultor de liderança, diretor da Entheusiasmos e um dos cinco mais requisitados palestrantes sobre gestão de pessoas segundo o Top of Mind de RH, a maioria dos trabalhadores sente-se engajada com o modelo meritocrático, mas há exceções. “É preciso fazer uma segmentação para explicar melhor o contexto de engajamento e motivação dos diferentes funcionários”, comenta.

Ele explica que em primeiro lugar há os profissionais considerados proativos e de alta performance. Segundo Carmello, estes se sentem muito engajados com a gestão meritocrática porque já trabalham bem o conceito de esforçarem-se ao máximo. “Eles apreciam o reconhecimento e a recompensa a partir do seu próprio merecimento, talento e esforço produtivo”, conta o consultor.

A segunda categoria seria de funcionários coativos e mantenedores, considerados profissionais de média performance. Para o especialista, esses funcionários também tendem a se sentirem bastante engajados na meritocracia já que, além de perceberem a justiça do sistema, prezam muito pelo apoio, confirmação, proximidade e orientação do gestor.

Finalmente, Carmello cita a categoria de funcionários de baixa performance. Esses profissionais são ativamente desengajados e, na maioria das vezes, resistentes a esse tipo de gestão. Segundo o consultor, eles partem de um modelo mental onde a empresa sempre deve direitos e bônus a eles, mas não se preocupam em responder à altura com seus deveres e produtividade. “É o trabalhador que não se importa com os prazos do seu trabalho, falta muito, faz coisas pela metade e delega suas responsabilidades”, explica.

Das três categorias, apenas os funcionários de baixa performance sentem-se bastante refratários e desmotivados em um modelo meritocrático de gestão. Isso acontece justamente porque eles acabam perdendo o privilégio dos ganhos que não vieram do próprio esforço e produtividade.

Eduardo Carmello ainda explica que cabe aos gestores a função de resolver eventuais que possam surgir durante a gestão meritocrática. Dessa forma seria possível colher os frutos prometidos por esse sistema, como melhora no crescimento de forma contínua e sustentável, assim como retenção de talentos. Essas vantagens podem ser indispensáveis em mercados competitivos, razão pela qual grandes empresas como Ambev, GM, Braskem, HP, IBM e Serasa Experian, entre outras, se beneficiam da meritocracia.

“Com uma liderança sólida e atenção às reações dos diferentes tipos de funcionários, é possível aplicar a verdadeira meritocracia, com todos os benefícios que esse modelo pode oferecer”, finaliza Carmello.

Call to Action Caminhando Junto

feedSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto,seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.