Pitanga Real | Empreendedorismo e Moda

Edna Motta e Verônica Lopes com a grife Pitanga RealO Brasil tem cerca de 6 milhões de mulheres sócias de empresas, a maior parte delas nas regiões Sudeste e Sul do país, segundo estudo inédito da Serasa Experian. Ele foi elaborado com base no banco de dados de empresas da organização. As mulheres estão confiantes, empreendendo e fazendo sucesso com suas ideias.

Do grupo estudado, 27,66% das empreendedoras brasileiras tem entre 31 e 40 anos, 25,65%, 41 a 50 anos, e 18,08%, entre 51 e 60. O restante das faixas etárias ficou dividido em: 21-30 (15,98%), 61-70 (7,96%), 71-80 (2,85%). Mulheres acima de 81 anos representam 0,85% do total e as jovens entre 18 e 20 anos somam 0,94%.

Entre as empresas que têm mulheres como sócias no Brasil, 99,59% são de micro ou pequeno porte. Apenas 0,39% das empreendedoras está num negócio de médio porte e 0,02%, em grande porte. Entre as mulheres sócias de empresas que faturam mais de R$ 1,5 bilhão por ano, 57,14% têm entre 21 e 40 anos; 9,52% têm entre 41 e 50 anos e 33,33% têm 51 anos ou mais.

De acordo com a análise da Serasa Experian, a maior parte dessas empreendedoras é composta por comerciantes que cuidam de seu próprio negócio e tem um nível de vida de médio a modesto. Muitas moram no próprio estabelecimento e equilibram as contas da empresa com as pessoais, contando somente com seus conhecimentos e conselhos de amigos negociantes. Elas preferem a vida pacata ao crescimento muito grande de seu comércio. Vivem sem luxo, satisfazendo-se com pequenos agrados e prazeres rotineiros, seja uma pequena reforma no estabelecimento, seja uma festa em família.

Confiança na Economia em 2013

Uma pesquisa realizada pela Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) com 30 finalistas e vencedoras da etapa estadual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios mostrou que 97% das empresárias acreditam que o país propicia grandes oportunidades aos empreendedores. Para 60% das respondentes, o governo enxerga as pequenas empresas como prioridade e tem tomado medidas para auxiliar a abertura de novos negócios.

Ainda de acordo com a pesquisa, 70% das empreendedoras disseram que a temática dos novos negócios tem sido cada vez mais discutida pelo poder público por meio de incentivos para a abertura de empresas de pequeno porte no Brasil. Além de incentivos nacionais, o estado em que está situado o negócio também é importante para o desenvolvimento de uma nova empresa. Para 70% das empresárias, os esforços estaduais, que ocorrem por meio de ações de incentivos e parcerias com entidades privadas e públicas, têm tornado o empreendedorismo possível.

Preocupação com a gestão

O estudo também constatou que 93% das entrevistadas costumam buscar conhecimento sobre seus clientes com frequência. Pouco mais da metade, 53%, consideram que o nível de conhecimento sobre seu cliente é alto, enquanto 43% dizem que esse nível de informação é mediano. Outra questão apontada na pesquisa é a preocupação com o meio ambiente: 80% das entrevistadas possuem atividades relacionadas ao ambiente na sua empresa. Já 90% realizam ações sociais, entre elas, atividades que envolvem a comunidade local.

Edna Motta criadora da grife Pitanga RealCriatividade, Engajamento e Comunicação

Uma das características mais fortes entre as mulheres é a capacidade de criar um sentimento de engajamento em torno de seus projetos. Como a jornalista, Edna Motta que junto com a mãe lançou a e vem baseando sua estratégia de Marketing na internet. “Além de ser mais barato e rápido, a internet me permite um contato mais próximo com clientes e lojistas, assim, posso saber a opinião de cada um sobre os produtos e estar sempre inovando”, conta a empreendedora.

Durante a inauguração de uma loja que vai revender a grife Pitanga Real, em Pouso Alegre – MG, Edna mobilizou um grande número de internautas em blogs e redes sociais. O movimento, totalmente voluntário, gerou um volume enorme de publicações e citações sobre a marca na internet. Uma verdadeira lição de Comunicação.

Treinamento, Coach e Desenvolvimento de Líderes