Controle interno com gestão de pessoas

controle_dos_processos_no_rhFalar de controles internos é muito simples, praticá-lo se torna um grande desafio a todos os profissionais de controladoria, controles internos e compliance. Mas hoje vamos abordar os controles internos de uma forma mais abrangente, afinal como sempre referenciamos em projetos, aulas e palestras, são procedimentos que necessitam de informação e comunicação efetiva e clara, atendendo a um dos componentes do COSO ERM (Enterprise Risk Management Framework, em inglês), mas comumente conhecido como, “”.

:: Receba os artigos direto no seu e-mail assinando gratuitamente o Feed. 

O ambiente interno inclui o “tom” da organização, que influencia a consciência de controle e riscos das pessoas envolvidas nas atividades, e é justamente a base de todos os demais componentes do gerenciamento de riscos, provendo disciplina e cultura.

Os fatores de ambiente interno incluem a “filosofia” de gerenciamento dos referidos controles e dos riscos da organização. O “apetite” a riscos, a forma de gestão da administração, a integridade e e a maneira com que a alta administração designa autoridade e/ou responsabilidades, como organiza e de que forma desenvolve pessoas é de suma importância, mas quem se lembra disso no dia a dia?

necessita definir e informar qual a expectativa de comportamento e conduta profissional que espera do novo colaborador e não podemos esquecer que a definição de responsabilidades e a delegação de autoridade é parte essencial no processo.

Acreditamos que um líder necessita ter e desenvolver algumas posturas essenciais para a condução de suas atividades. Tais como:

:: Humildade: afinal não sabemos tudo, e por isso quanto mais parcerias possuirmos melhor. Temos muitos especialistas nas empresas e o conjunto de conhecimento fortalece o negócio. Portanto, as áreas financeiras, tributárias, comerciais, jurídicas, de tecnologia da informação e contábeis são de suma importância nas organizações, mesmo quando terceirizadas;

:: Comunicação: quando existe uma boa comunicação e de preferência com a simplicidade, facilita o entendimento das atividades e responsabilidades de cada um, e com isso a liderança obtém o respeito de seus comandados e parceiros de negócio;

:: Delegar: a grande dificuldade dos lideres é delegar atividades, mas devemos entender que não podemos fazer nada sozinhos e muitas atividades podem ser compartilhadas e facilitar os procedimentos.

Portanto, melhorar a eficiência e eficácia do negócio é essencial e as atividades não podem ser dependentes somente de uma pessoa, a empresa é um todo, funciona igual a uma engrenagem, represar processos não funciona.

Os objetivos e tratamento corporativo só funcionam quando estabelecemos metas de negócios, mesmo que sua vontade seja outra. Portanto, conversar com os envolvidos e estabelecer critérios para a obtenção de resultados, facilitam e muito a gestão, pois metas inatingíveis causam descontentamento e desmotivam. As pessoas seguem os exemplos da chefia.

Controles internos, por mais que tenhamos normas, procedimentos e sistemas, são dependentes das pessoas. Por esse motivo a gestão deve ser participativa e na busca de melhores formas de exercício das atividades. Sabe por que? Se cada um fizer o que é de sua responsabilidade, os controles internos ficam evidentes e funcionais, mas como nem sempre teoria e pratica se unem…

Marcos Assi é professor de MBA da Trevisan Escola de Negócios.

feedSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto, seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.

Desafios e Oportunidades para os LíderesGaranta já sua participação no seminário “” – Informações sobre investimentos e consumo e as tendências em liderança para as cidades da divisa entre Minas Gerais e São Paulo.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.