Plano de Saúde Empresarial tem reajuste revisto pela Justiça

plano_de_saude_empresarial

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou recentemente que pretende alterar a forma de reajuste dos planos de saúde coletivos. Mas, até que isto não aconteça, a Justiça vem se antecipando.

Top Blog :: Seu voto pode ajudar o Caminhando Junto a ser eleito o melhor blog da categoria Comunicação. Clique aqui para votar no Caminhando Junto.

Isso é o que mostra uma decisão proferida recentemente na 4a. Vara Civil, do Fórum João Mendes, em São Paulo, que anulou os reajustes de 21,75% e 15,96% para os meses de maio de 2010 e 2011, impostos pela Amil Assistência Médica Internacional a um plano coletivo contratado por uma empresa paulista. De acordo com o juiz Anderson Cortez Mendes, os reajustes eram abusivos e infundados e, por isso, obrigou a Amil a corrigir os índices para 6,73% e 7,69%, tomando como base as determinações da (ANS) para planos individuais.

“Essa é uma decisão importante, porque a Justiça se antecipa no sentido de limitar reajustes absurdos, um problema que a ANS já reconheceu existir, mas ainda não conseguiu resolver”, explica Périsson Andrade, sócio-titular do escritório Périsson Andrade Advocacia Empresarial e responsável pelo caso. Segundo o advogado, a Amil não justificou os reajustes praticados, nem comprovou que houve aumento da sinistralidade proporcional à correção imposta à contratante. “Muitas vezes, os planos coletivos parecem mais atrativos que os individuais no momento da contratação, mas, com os reajustes homéricos, eles podem ficar até mais caros”, afirma Andrade.

Além de proibir aumentos discrepantes, o Juiz também condenou a Amil a devolver os valores que foram cobrados indevidamente, de forma simples, por conta do reajuste por sinistralidade, corrigidos da data do desembolso, consoante à Tabela Prática de Atualização de Débito Judiciais do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, e com juros moratórios de 1% ao mês, conforme os artigos 406 e 407 do Código Civil combinado com o artigo 161, parágrafo 1º, do Código Tributário Nacional.

Reajustes fundamentados
De acordo com o advogado Périsson Andrade, sócio-titular do escritório Périsson Andrade Advocacia Empresarial, quando se trata de plano coletivo, a ANS permite às administradoras de plano de saúde a livre negociação entre pessoa jurídica contratante e operadora de plano de saúde, o que possibilita uma variação dos índices de reajuste de acordo com cada contrato. “Existe a livre negociação das partes na definição dos contratos coletivos, mas isso não quer dizer que as operadoras possam estipular um reajuste abusivo”, ressalta.

Segundo Andrade, a fundamentação dos reajustes é imprescindível para evitar arbitrariedades e abusos nos valores impostos na correção dos planos de saúde empresariais, principalmente das pequenas e médias empresas, com menor poder de barganha com as operadoras e que acabam sendo as mais prejudicadas por reajustes desproporcionais. “Isso até porque, pensando de forma inversa, caso a sinistralidade de um plano coletivo baixe, quando há menor uso dos serviços médicos pelos assegurados, o valor do plano deveria diminuir, mas isso nunca ocorre”, afirma.

Com base na decisão judicial, outro problema se deve às cláusulas de reajustes inseridas no contrato de forma confusa pela Amil, o que dificulta a compreensão do contratante sobre os itens impostos. Para o magistrado incumbido do caso, cabe ao fornecedor dar ciência prévia e efetiva ao consumidor do conteúdo da avença, bem como redigir o instrumento contratual de forma clara, conforme disposto pelo artigo 46 do Código de Defesa do Consumidor. “Com todo o respeito aos que entendem contrariamente, a meu ver nem como piada se pode imaginar que tais estipulações atendem à determinação legal de clareza nas estipulações contidas nos contratos de adesão”, declarou o juiz em sua decisão.

Périsson Andrade – sócio-titular da Périsson Andrade Advogados Associados, especializado na defesa dos direitos dos aposentados e em casos ligados a planos de saúde. É Formado pelo Mackenzie e tem especializações pela Fundação Getúlio Vargas e Ibmec. Tem larga experiência adquirida em empresas de auditoria, como Deloitte Touch Tohmasu, e em escritórios de advocacia de grande porte, como Advocacia Krakowiak e Tozzini Freire Advogados.

feedSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto, seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.

liderança motivação produtividade equipeQuer melhorar o desempenho de sua equipe? Precisa desenvolver os líderes na sua empresa? Conheça as palestras e workshops dos consultores Adriano Carvalho e André Lodi.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.