Como dizer não às idéias do colaboradores

A formação de lideranças é uma das prioridades no RHVerdade seja dita: líder sofre! Depois de tanto discurso sobre o estímulo às ideias das equipes, sobre o desastre motivacional que é ter uma ideia rejeitada, a cruel realidade: você terá que dizer não a algumas ideias.

Ideias podem não estar adequadas ao momento ou à cultura da empresa, podem ter custo muito alto de implementação ou já ter sido testadas e reprovadas. E podem ser ruins mesmo.

:: Receba os artigos direto no seu e-mail assinando gratuitamente o Feed.

É claro que você não vai contribuir para a implementação de uma má ideia. Mas também não quer se tornar o vilão do programa de ideias, nem ser acusado de pôr fogo por um lado e abafar pelo outro, não é?

Mas nem tudo está perdido. Há formas de, sem desmotivar, dar retorno à pessoa ou equipe que deu a ideia e elas vão muito além do “agradeço sua contribuição”. Vou enumerá-las abaixo, mas prefiro começar com o que você não deve fazer:

Jamais esqueça, abandone ou adie a resposta. Se você acha que a pessoa ou equipe que deu a ideia também vai esquecê-la, pode perder as esperanças. As pessoas se apegam às suas ideias. Mesmo quando as sugestões não envolvem prêmios, elas mexem com a auto-estima. Do ponto de vista psicológico, o esquecimento é pior do que um não.

Aja preventivamente. Deixe bem claro quais os tipos de ideias que a empresa quer. Algumas pessoas temem podar o ao determinar limites logo no início. Mesmo o brainstorming, técnica que propositalmente adia o julgamento, só é completo depois que as ideias passam por um crivo. O crivo inicial é de quem faz a sugestão, não do líder. E lembre-se: ao dar foco para as ideias,

Não rejeite uma ideia porque não a entendeu. Boas ideias podem ser desperdiçadas se não forem bem explicadas. Não tente adivinhar qual é a ideia, pois será muito difícil. Peça esclarecimentos ou peça o a quem a propôs reescrevê-la. Cuidado com os “gênios incompreendidos”. As pessoas tendem a considerar as próprias ideias tão boas que nem precisam de explicação. E depois, poderão vir a se queixar para a empresa inteira que foram injustiçados.

Se a proposta demandar mais criatividade, avise. Sugestões com alto custo de implementação, que necessitarão de negociações específicas, ou ideias que podem ser aprimoradas merecem uma segunda chance. Antes de rejeitar a proposição, aponte seus aspectos negativos e peça a quem teve a ideia para tentar aprimorá-la. É possível que ele desista (ponto para você, que não posou de carrasco) e é possível que traga a solução (mil pontos para você que ajudou a ressuscitar uma ideia!)

Desvincule a ideia da pessoa. Não avalie uma pessoa pela ideia que teve, nem positivamente. Por exemplo, não chame a pessoa de gênio, mas diga que a ideia é genial. Este vínculo dificulta o feedback quando a ideia é negativa e raramente é justo, pois as ideias sempre têm contribuições de outros, mesmo que involuntárias.

Transforme você a ideia. Quem conhece bem o processo criativo sabe que sua essência tem muito de “nada se perde, tudo se transforma”. Se você abandonar o espírito avaliador e adotar a postura de validador – aquele que se esforça para fazer valer a ideia –, poderá contribuir para tornar válida uma ideia indevida. Aliás, muitas ideias famosas surgiram assim. Afinal, , mas nada o impede de ser criativo também!

Gisela Kassoy é especialista em Criatividade, Inovação e Adoção de Mudanças, realiza seminários e palestras sobre esses temas e facilita grupos de geração e avaliação de ideias. Faz consultoria na elaboração e recuperação de programas de ideias e nos Planos de Adoção de Ambientes Virtuais. Conheça mais em http://www.giselakassoy.com.br

feedSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto, seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.

Apresentação Adriano UniplanosQuer melhorar o desempenho de sua equipe? Precisa desenvolver os líderes na sua empresa? Conheça as palestras e workshops dos consultores Adriano Carvalho e André Lodi.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.