Liderado | Tão importante quanto o líder

300lithoQuando falamos em programas de retenção de talentos, o processo de desenvolvimento de líderes torna-se fundamental, mas nesta conversa há uma metade que não pode ficar de fora: o liderado.

Em grande parte é ele quem carrega o piano e realmente põe a mão na massa para realizar a visão do líder. Daí ser tão importante o seu desenvolvimento também, só que de tanto se falar em desenvolver líderes, dá a impressão de que este trabalhador não faz diferença ou ocupa um papel menor nas empresas. Quanto engano.

:: Receba os artigos direto no seu e-mail assinando gratuitamente o Feed.

Leônidas e os 300 de Esparta

Famoso pela história em quadrinhos e depois pelo cinema, Leônidas e sua guarda pessoal tiveram papel decisivo ao atrasar a invasão do exército persa à Grécia antiga. Os espartanos eram os guerreiros mais bem treinados daqueles tempos. Qualquer soldado com um mínimo de amor à própria pele se borrava à vista dos mantos vermelhos e dos escudos com o lambda (letra L grega, abreviação de espartanos) a marca registrada do exército de Leônidas.

Na HQ de Frank Miller há um diálogo, também retratado no filme, que deixa muito evidente a maneira como o rei via seus soldados. Em marcha para o encontro com o exército invasor, os 300 encontram-se com voluntários chegando de outras regiões da Grécia, encorajados pela notícia de que espartanos iam enfrentar os persas. Mas ao ver um número tão pequeno de soldados, um destes voluntários questiona o rei: “tão poucos?”

Ao  que o rei responde com outra pergunta: “Você aí, árcade, qual sua profissão?” E a resposta: “Sou oleiro, senhor”. O rei aponta para outro e repete a pergunta ao que os voluntários vão respondendo: ferreiro, padeiro, escultor. Então, Leônidas pergunta ao seus homens qual a profissão deles e a resposta vem com as lanças batidas contra os escudos: são todos soldados.

Comunicação e Estratégia

liderança_que_gera_uniãoCada soldado de Leônidas sabia exatamente seu papel na batalha e o que se esperava dele, a comunicação era clara e franca, sem rodeios. Todos sabiam que era seu dever proteger o soldado a sua esquerda, tal estratégia criava a unidade militar e impedia que os guerreiros lutassem como um bando de bárbaros. Sem esta unidade, as estratégias mais elaboradas não seriam realizadas. Também prevalecia a meritocracia, aqueles que não eram capazes de merecer o posto, não entravam na guarda pessoal, era preciso merecer e este “merecer” significada dedicação ao extremo, lealdade e bravura à toda prova.

Líder e Liderado

Leônidas tinha consciência de seu papel como rei, era o primeiro a empunhar a espada e o último a comer depois da luta. Seu exemplo encorajava, inspirava e guiava os soldados. Mas ele também sabia o nome de cada liderado, conhecia suas famílias, demonstrava respeito com cada pequena conquista dos soldados, afinal, sem eles não haveria sequer um reino para defender.

E na sua empresa, como os líderes tratam seus liderados? Lutam lado a lado ou se escondem atrás de escrivaninhas? São os primeiros a chegar e fazem questão de desejar bom dia aos seus soldados? Explicam claramente qual a estratégia da batalha e apontam o inimigo a ser vencido? Lutam como unidade ou cada um se protege como pode?

Pense nisto.

feedSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto,seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.