Trabalho temporário pode virar efetivo?

emprego_temporarioGarantir a contratação exige dedicação, talento e, acima de tudo, bom senso

Está em busca de uma oportunidade profissional? Então, fique atento: segundo a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), neste final de ano, cerca de 160 mil vagas de empregos serão abertas em todo o Brasil – alta de 10% comparado ao mesmo período de 2010, quando o comércio garantiu 144 mil novos postos de trabalho. Mas nada é tão fácil quanto parece.

Para o consultor em Gestão de Pessoas, Eduardo Ferraz, muitos profissionais perdem oportunidades não pela falta de talento, mas por más atitudes. “As pessoas com pouca inteligência emocional têm um autoconhecimento limitado, e esse é o maior problema, pois têm dificuldades em avaliar o impacto que seus comportamentos causam nos demais”, afirma.

Autor do livro “Por que a gente é do jeito que a gente é?”, que explica por meio da Neurociência Comportamental o desenvolvimento da personalidade, Eduardo é categórico: “a grande maioria dos profissionais são demitidos por suas atitudes, e não pela falta de conhecimentos técnicos. É preciso, antes de tudo, que percebamos qual o efeito de nossas ações sobre as pessoas no ambiente de trabalho. Ser exigente é diferente de ser mal educado, ser gentil é diferente de ser submisso. Para isso, é essencial ficar atento os feedbacks recebidos, seja de um superior, um subordinado ou de colegas”.

A afirmação do consultor vai de encontro com uma pesquisa realizada pela Catho, em 2009, com 12.122 profissionais de empresas privadas de todo o Brasil, que revelou os principais fatores para a demissão no país. Segundo o levantamento, dentre as cinco primeiras razões, três estão relacionadas à personalidade. O estudo aponta que, além da incompetência e da falta de resultados, também estão as questões comportamentais, como o mau relacionamento com o grupo, indolência e excesso de passividade.

:: Receba os artigos direto no seu e-mail assinando gratuitamente o Feed.

“Se prestarmos atenção, perceberemos que a maioria das demissões tem mais relação com atitudes inadequadas”, reafirma o especialista. Quer garantir sua vaga neste final de ano? Então, preste atenção às dicas do consultor:

1- Invista mais tempo em seu autoconhecimento

Tudo o que uma pessoa conseguiu até agora e tudo o que espera conseguir é muito influenciado por sua personalidade. Não seria exagero afirmar que ela é seu patrimônio mais importante. Portanto, é dramaticamente importante autoconhecer-se.

2- Não force sua natureza

Apesar da personalidade adquirir alguma maleabilidade com o passar dos anos, sua base continua sendo a mesma durante toda a vida.  Não é bom negócio ficar anos correndo atrás de algo que você sabe que não leva jeito. Por exemplo: se você é tímido, não lute contra isso, apenas administre. Provavelmente sua praia não é lidar com o público. O contrário também é verdadeiro: se você é extrovertido, trabalhar fechado num escritório será uma tortura. Pense em mudar de função ou de ambiente.

3- Identifique seus pontos fortes

Ser exigente, desconfiado, perfeccionista, falante, ou qualquer comportamento que, socialmente é visto como inadequado, pode se tornar um ponto forte se você o utilizar na carreira certa. Ser desconfiado pode ser um talento, por exemplo, se a pessoa trabalhar em uma posição em que desconfiar seja um pré-requisito, como no caso de um auditor.

4- Posicione-se onde você rende mais

Procure trabalhos onde você possa utilizar seus principais pontos fortes na maior parte do tempo.

5- Prática deliberada 

Prática Deliberada é aquilo que fazemos especificamente para melhorar o que já temos de bom. Significa desenvolver com técnicas, estudo e repetição nossos talentos. Muita prática deliberada significará melhor desempenho. ‘Toneladas’ de prática deliberada resultará na Excelência.

 

feedSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto,seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.