Metas traçadas e não cumpridas podem gerar melancolia

metas_não_alcançadasPara evitar frustrações, as pessoas devem estipular metas dentro da realidade

O fim do ano vem se aproximando, as confraternizações vão se multiplicando e as pessoas começam a ficar… tristes! Pois se para muitos essa reta final do calendário representa bons motivos para comemorar, para alguns é razão para tristeza e lamentação pelos objetivos não cumpridos ao longo dos últimos meses.

:: Receba os artigos direto no seu e-mail assinando gratuitamente o Feed.

Como esse período do ano leva a uma retrospectiva natural do que passou, um resultado negativo pode levar a um estado de ansiedade, depressão e angústia. “Essas avaliações de final de ano são comuns, na medida em que traçamos metas para alcançar ao longo do ano. Temos que nos lembrar, no entanto, que as circunstâncias existem e que, por vezes, nos impedem de realizar essas metas”, explica a psicóloga Maria Helena de Barros, do CPPL .

Segundo a profissional, as frustrações podem provocar diferentes reações em cada pessoa. Vai depender de como cada uma lida com a frustração e também com seus próprios limites. “É importante uma boa dose de autocrítica, evitando as autoacusações, que não levam a nada”, diz. Para evitar essas frustrações com as metas não alcançadas, Maria Helena explica que as pessoas devem estipular metas dentro de um parâmetro de realidade. Também é importante, ela diz, estar atendo às causas que impediram a concretização desses planos, para que essas metas possam ser modificadas.

Um passo importante é não assumir mais compromissos do que se pode cumprir. Também é interessante rever as metas propostas no início do ano para enxergar o quanto se extrapolou nelas. “O importante é fazer uma crítica objetiva e restabelecer as metas, lembrando que estas têm que ser pautadas em nossa realidade para não nos decepcionarmos.” A profissional também explica que quem não faz metas não está melhor do que aqueles que não conseguem cumprir todas. “Não podemos viver sem metas, levados apenas pelas circunstâncias. Temos que direcionar nossas ações em busca das realizações”, explica Maria Helena. E completa: “A frustração faz parte da vida. Você deve apenas ter certa benevolência consigo mesmo e procurar ir em frente”.

 

feed_canecaSe você gostou do artigo, envie para um amigo ou parceiro de negócios. E para receber as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto,seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.