O capital intelectual nas negociações empresariais

A troca de mãos de grandes grupos empresariais é destaque no Brasil e no mundo, mas como valorar a empresa para negociação? Diversos parâmetros são usados para mensurar, mas, mesmo diante de tamanha tecnologia da informação, difícil prever o valor exato de um negócio e se o seu valor justo.

As empresas especializadas em avaliação ou combinações de negócios começam por mensurar os valores nas demonstrações contábeis – uma análise do patrimônio, através de dados registrados, que são subsidiados por documentos. Essas informações resumidas por meio de relatórios são a base de sustentação e o início da avaliação do valor do negócio.
O que as demonstrações financeiras não identificam são: a perspectiva futura de resultados, o valor do goodwill, do mercado, dos bens imóveis, da marca e do capital intelectual, bem como o passivo oculto. Por isso, as demonstrações contábeis são criticadas no momento da avaliação dos negócios, pois os dados históricos camuflam a realidade de um negócio.
A Google está comprando a Motorola Mobility por cerca de U$ 12,5 bilhões – 63% acima do valor de cotação da ação em 12 de agosto deste ano na Bolsa de Nova York. O que leva uma empresa a adquirir outra por um valor bilionário,quando os ativos são bem inferiores ao valor de mercado?
Analisando todas as empresas que buscaram a incorporação, fusão ou aquisição de negócios, elas avaliaram algo que esta além dos números contábeis, valores que estão ocultos e que somente aparecem em momentos únicos, quando há o interesse por negociações.
No caso da proposta da Google para aquisição da Motorola Mobility são as patentes de propriedade da empresa que aumentarão significativamente o poder de competitividade frente a esse novo segmento contra os gigantes do ramo. Por isso, o pagamento bilionário, que, neste momento, é uma das alternativas da empresa para no ficar na dependência de patentes e para explorar os produtos da organização a ser adquirida, assim como ser responsável pelo fornecimento da tecnologia explorando as patentes através de royalties.
O que veremos agora é a preocupação de fabricantes que possuem tecnologia na produção de smartphones e tablets, mas que necessitam das patentes para utilização dos equipamentos. Ou seja, os softwares para sua funcionalidade.
Reginaldo Gonçalves é coordenador do curso de Ciências Contábeis da Faculdade Santa Marcelina.

Você também pode seguir o Caminhando Junto pelo Twitter ou ver meu perfil no LinkedIn e para não perder as atualizações basta assinar o Feed do Caminhando Junto. O serviço é totalmente gratuito.

Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.