Quer aumentar seus ganhos?

Invista em autoconhecimento

inovacao Você já se perguntou se o que recebe (salário, renda, participação, comissão, consulta, etc) é proporcional ao trabalho que desempenha? Diariamente, milhares de pessoas se questionam quanto à remuneração recebida pelos serviços prestados, e quase todo mundo gostaria de ganhar mais. Mas será que existe algum atalho para aumentar seus ganhos?

Eu gostaria de ter essa tal “fórmula mágica”, mas em minha opinião, infelizmente ela não existe. Pode parecer óbvia, mas minha análise é bastante simples: se você se esforça, estuda e trabalha na média das pessoas de seu ramo de atividade, receberá na média também.  Se fizer menos, será remunerado abaixo da média, e se mais, acima. É simples assim, não existe milagre, mas há maneiras de acelerar o processo.

É claro que há diversas dificuldades em se fazer mais, como o tempo limitado, a falta de dinheiro para pagar os estudos, demandas da família, cansaço, trânsito, chefe chato e assim por diante. Quase todos têm os mesmos empecilhos, mas, ainda assim, alguns produzem mais. Não estou dizendo que para ser feliz você tem ganhar mais que os outros, mas que se este for o seu objetivo, terá que merecer. Se você tem 20 e poucos anos, imagine que sua carreira ainda durará, pelo menos, mais 40 anos! Há muito tempo pela frente!

Sejamos objetivos: se você não entrega resultados espetaculares, não sonhe com um grande aumento de salário, as empresas não fazem filantropia. O único caminho seguro para conquistar mais, é aumentar sua carga de esforço, trabalho, estudo e, principalmente – esta é a dica mais valiosa que posso dar a você, – é aproveitar todo o tempo disponível para se conhecer melhor. Parece não haver relação entre o autoconhecimento e o quanto se ganha, mas explicarei na sequência.

Em mais de 20 anos de experiência como consultor em gestão de pessoas, posso afirmar que mais da metade das pessoas que já conheci não faz idéia do que quer da vida profissional no médio/longo prazo. Muitos não sabem dizer nem ao menos se gostariam de estar onde estão. As pessoas dizem “vou tocando por aqui até achar coisa melhor”, e, a maioria que pensa assim, provavelmente não achará coisa muito diferente.

Por isso, o ponto chave (e muito negligenciado), não só na vida profissional, mas na também na pessoal, é o autoconhecimento. Quem se conhece bem não perde tanto tempo no “chutômetro da tentativa e erro”. Aposto que você conhece gente que já abandonou o quinto curso universitário, ou está no décimo emprego em oito anos, e está sempre repetindo “acho que dessa vez vai dar certo!”. Porém, novamente, ela abandona mais um curso, ou emprego, e parte para o próximo. Quanta perda de tempo, energia e dinheiro!

  A personalidade em um adulto muda pouco. Imagine que o seu “jeitão de ser” é um prédio: a estrutura será sempre a mesma, mas você pode mudar o acabamento (decoração, móveis, pintura) quantas vezes quiser e puder. Pergunto-lhe: você conhece bem sua personalidade? Você sabe o que quer e o que não quer da vida? Se não sabe, não adianta ficar mudando de faculdade, de namorada, de empresa, de cidade e de amigos. Descubra primeiro as suas qualidades e defeitos, pontos fortes e limitantes, o que você adora e o que você odeia fazer. Perceba quais são os seus principais talentos, e invista neles, pois fazem parte de sua estrutura, e ainda podem ser melhorados (acabamento).

Se você sabe o que quer, sabe o que faz de melhor, e gosta do que faz, enxergará oportunidades que antes passariam despercebidas. Seus recursos de tempo e dinheiro serão muito melhor utilizados, e você conseguirá se posicionar no lugar certo, produzindo mais, e com muito mais qualidade. Se você quer aumentar sua remuneração, só há um caminho: conheça-se bem, invista em seus talentos, estude, se esforce e trabalhe mais que a média e haverá uma enorme probabilidade de você ser bem sucedido em sua vida como um todo!

Eduardo Ferraz é consultor em Gestão de Pessoas e especialista em treinamentos e consultoria “in company”, com aplicações práticas da Neurociência. É pós-graduado em Direção de Empresas pelo ISAD PUC-PR e especializado em  Dinâmica de Grupos pela SBDG. Autor do livro “Por que a gente é do jeito que a gente é?”, da Editora Gente. www.eduardoferraz.com.br

 

feed Que tal enviar este artigo para um amigo ou parceiro de negócios? Fortalecer seu network é uma ótima maneira de progredir. E para receber as atualizações com praticidade, basta assinar o Feed do Caminhando Junto, seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail, o serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.