Assumindo responsabilidades, inclusive em relação aos fornecedores

Quando você responde pelos erros do fornecedor

trabalho Não há qualquer novidade no fato de que as empresas têm hoje de adotar padrões responsáveis e sustentáveis de atuação para serem aceitas pelo mercado, pelos consumidores e pelas autoridades que regulam sua atuação empresarial e social. O que vem sendo reforçado, e que anteriormente era pouco percebido, é que essas mesmas empresas têm de ser responsáveis e exigir adequação ao contratar seus fornecedores.

Recentemente, uma grande rede de lojas de vestuário assinou um TAC (termo de ajustamento de conduta) conjunto com o Ministério Público, Ministério do Trabalho e Defensoria Pública da União assumindo o compromisso de combater o trabalho em condições precárias, o que chegou a ser registrado em alguns de seus fornecedores. Entre os casos anotados, havia a exploração de cidadãos bolivianos sujeitos a condições ambientais inadequadas e a jornadas desumanas de trabalho na confecção de roupas.

Pelo compromisso assumido, a rede de empresas promoverá auditorias em seus fornecedores ou em empresas subcontratadas por estes para apurar as condições de trabalho e de contratação a que são sujeitos os trabalhadores envolvidos na cadeia produtiva. Caso sejam apuradas irregularidades, a rede de lojas terá um prazo para atuar decisivamente e corrigir os eventuais problemas registrados nos fornecedores. Não bastará a ela, portanto, simplesmente romper contrato com o fornecedor que submete seus contratados a condições inadequadas de atuação, mas, sim, agir efetivamente para que o trabalho em condições precárias seja corrigido, beneficiando os profissionais que são a base da cadeia produtiva que culmina com os produtos vendidos pela rede.

Este é um exemplo concreto de que o conceito de responsabilidade e de sustentabilidade tem de ser compreendido e aplicado de forma verdadeiramente holística. Atualmente, não basta responsabilizar-se apenas por aquilo que envolve os limites físicos e pessoais de uma corporação.

A responsabilidade e a sustentabilidade empresarial, social e ambiental devem ser geridas ao longo de uma extensa cadeia, que tem início na escolha e na manipulação de matérias-primas, inclui a percepção de como atuam os fornecedores e intermediários, envolve as abordagens e atitudes produtivas na própria corporação ao processar seus produtos ou serviços, passa pela mensuração e compensação dos impactos provocados à sociedade e ao meio ambiente e culmina com o respeito ao cliente e à sociedade, inclusive em relação aos usos e hábitos gerados e estimulados pelo produto ou serviço oferecido ao mercado, levando-se em consideração todas as implicações e efeitos que este venha a provocar sobre o ambiente e a própria sociedade.

Ieda Novais é diretora corporativa da BDO no Brasil,integrante da quinta maior empresa do mundo em auditoria, tributos e advisory services.

feed Para acompanhar as atualizações, basta assinar o Feed do Caminhando Junto, seguir pelo Twitter ou cadastrar seu e-mail. O serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.