Copa 2010 gera 400 mil vagas temporárias no país

Além de muita alegria, o futebol gera emprego, renda e muitas oportunidades

copa_do_mundo_2010 Em época de Copa do Mundo, bares e restaurantes se transformam em ponto de encontro para torcedores de todos os times, que se unem para vibrar pela Seleção Brasileira. Afinal de contas, nada mais perfeito do que aliviar a ansiedade, alegria ou decepção antes, durante e após as partidas com uma boa cervejinha ou chopp gelados, acompanhados de tira-gostos e pratos saborosos.
O resultado dessa configuração favorável é o aumento das vendas e, consequentemente, das vagas para atendentes, garçons, cozinheiros e outros profissionais da área. O setor deve fechar este ano com crescimento médio no faturamento entre 8% a 9%.

“Nosso setor emprega seis milhões de trabalhadores. Desde o início da Copa, contratamos cerca de 400 mil temporários, que podem ser empregados definitivamente depois do mundial”, afirma Paulo Solmucci Jr, presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel).
Um milhão de estabelecimentos integram esse setor no país, sendo que 750 mil deles são bares e restaurantes. O restante é composto por lanchonetes, bufês, entre outras empresas e empreendimentos de alimentação. Um terço dos bares e restaurantes tem impacto bastante significativo em decorrência da Copa, ou seja, entre 200 mil a 250 mil aumentam as vendas nessa época.

O número de novas vagas em bares e restaurantes só não é maior porque falta mão de obra qualificada. Em Florianópolis, uma rede de fast food possui 50 vagas em aberto e está com dificuldade para preenchê-las.

“Só em Belo Horizonte, geramos 15 mil novas vagas para trabalhadores temporários, desde o início do mundial de futebol na África do Sul. Alguns empresários, até já deram reajuste entre 10% a 15% para suas equipes para tentar manter seus funcionários”, informa o presidente da Abrasel.

Micro e pequenas empresas devem faturar R$ 2,8 bi na Copa de 2014

Como todos sabem a próxima Copa do Mundo é no Brasil, em 2014. Além da festa e de um possível título mundial, as Micro e Pequenas Empresas também terão algo mais a comemorar. Uma pesquisa feita pela consultoria Ernst & Young, em parceria com a Fundação Getulio Vargas, mostra quais setores da economia serão mais movimentados.
A expectativa é de que elas recebam até 2014 um total de R$ 2,8 bilhões. A previsão é que 11 setores da economia serão diretamente atingidos pelo evento. A indústria têxtil deve ser a mais beneficiada e gerar um impacto de R$ 580 milhões impulsionada pelas empresas de menor porte que fabricarão vestuários ligados ao futebol.
O sócio de assessoria da Ernst & Young, José Carlos Pinto, ressalta que o desempenho do país no planejamento dos projetos será essencial para a manutenção dos benefícios obtidos durante o evento. Outra grande fonte de oportunidades na Copa de 2014 será a atração de turistas estrangeiros. A expectativa é que o número de visitantes internacionais aumente 79%.
Para os pequenos empresários do setor de alimentação, o Ministério do Turismo lançou um programa para capacitar funcionários de bares e restaurantes, o Programa Bem Receber Copa vai fornecer cursos presenciais e a distância.

Veja como aproveitar as oportunidades da Copa do Mundo:

Brasil, Copa do Mundo, Vendas e Marketing Global

Investimentos para a Copa de 2014

feed Para receber as atualizações é só assinar nosso Feed. O serviço é totalmente gratuito.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.