Livro Operação Cálix – Como tudo começou

Capa Livro Adriano Desde que o lancei o livro Operação Cálix, sobre a história do ET de Varginha, alguns amigos e leitores aqui do blog me perguntam o que me motivou a isto. De cara eu não sei responder. Desde sempre eu gosto muito de contar histórias, de entreter amigos, de fazê-los rir de situações corriqueiras. Os mais próximos dizem que tenho um certo talento para semear a discórdia, porque gosto de apimentar as discussões, pois acho que a dúvida sempre torna nosso pensamento mais ágil.

Tenho na bagagem algumas histórias que são “campeãs de audiência” e entre elas a do ET de Varginha. Seja onde for, para que grupo de pessoas for, o ET sempre desperta curiosidade. Então, porque não escrever e divertir mais pessoas?

Mas neste caminho que o livro percorreu, há um ponto crucial. Uma conversa, dentro do carro com dois grandes amigos. A terapeuta ocupacional, Gisleine Martin e o designer, George Philot, foram eles que puxaram o gatilho e também, de maneira justa, ela foi a primeira a ler o começo do texto. Os dois, acostumados a processos de criação, desenharam em minha cabeça uma linha marcante da história, seus pontos de vista enriqueceram ainda mais a aventura de Cálix.

O livro Operação Cálix não é um documentário, a cronologia dos fatos é apenas o pano de fundo para a imaginação. Usei minhas memórias durante toda a cobertura, já que era um repórter em começo de carreira, e preenchi as lacunas como bem entendi.

Durante o processo de escrita, tive alguns avaliadores bem severos como minha própria filha, hoje com 16 anos. Tudo isto junto garantiu que o texto fosse divertido e ao mesmo tempo falasse de valores muito ricos como ética, tolerância, amizade e esperança. Agora, cabe a você me dizer o que achou.

O livro está á venda no Clube de Autores e pode ser comprado pelo link: http://www.clubedeautores.com.br/book/16804–Operacao_Calix

::: Se você gostou deste artigo, pode assinar o nosso Feed e receber todas as atualizações.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.