Sul de Minas ganha mais uma fábrica Rexam

Com o aumento da capacidade produtiva, a empresa estará apta a produzir, a partir de janeiro de 2011, cerca de 13.7 bilhões latas ao ano na América do Sul

A Rexam, uma das maiores fabricantes de latas para bebidas do mundo e uma das líderes globais em embalagens para consumo, ampliará a capacidade de produção das unidades existente em aproximadamente 13% em 2010. Com este plano de expansão, a Rexam atingirá a marca de 13 bilhões de latas produzidas ao ano na América do Sul, a partir de janeiro de 2011. Somente o mercado brasileiro será responsável por 90% do aumento da capacidade de produção.

Os investimentos totais que serão realizados ao longo de 2010 são da ordem de R$ 180 milhões, que serão destinados para a reabertura da fábrica da Companhia em Pouso Alegre – MG, e para o aumento das capacidades já instaladas das unidades da empresa em Jacareí (SP), Recife (PE) e Chile. A decisão pelo aumento de produção está relacionada ao aquecimento do mercado de bebidas em 2009, que teve um incremento positivo de cerca de 11% em comparação ao ano anterior. A reativação da unidade da Rexam em Pouso Alegre, que produzirá latas no tamanho tradicional de 12 onças (350ml), faz parte da estratégia de desconcentração da produção a fim de reduzir os custos logísticos do sistema na região. A fábrica foi a primeira a ser instalada no País para a produção de latas para bebidas e marca os 20 anos da embalagem no Brasil. “Este é o maior esforço da indústria na América do Sul de colocação de capacidade no menor período de tempo.”, afirma André Balbi, presidente da Rexam Beverage Can Americas (BCA), Divisão que engloba os setores de produção de latas de alumínio da Companhia na América do Norte e na América do Sul.

Grande parte dos investimentos da empresa neste ano será destinada ao aumento da produção de latas de formatos especiais, que foram as principais responsáveis pelo aquecimento do mercado de latas em 2009. A empresa também aumentará a produção de latas tradicionais e investirá em inovadoras tecnologias para impressão de rótulos, novas tintas e vernizes, expertise que a empresa já oferece para toda a América do Sul. Atualmente a Rexam é a única empresa que oferece um portfólio inovador e diversificado, com seis tipos de latas para o mercado da América do Sul: a lata Slim, importada da Europa, e cinco latas produzidas localmente: a tradicional – de 12oz ou 350 ml; a pequena – 8.4oz ou 250 ml; a de 16oz ou 473 ml – conhecida como latão, além de dois tipos de Sleek™ – 9.1oz ou 270 ml e 10.5oz ou 310ml.

Hoje, a Rexam lidera a produção de latas e tampas para bebidas, com nove fábricas no Brasil (Santa Cruz-RJ, Extrema-MG, Brasília-DF, Águas Claras-RS, Jacareí-SP, Cuiabá-MT, Manaus-AM, duas em Recife-PE), uma no Chile (Santiago) e uma na Argentina (Buenos Aires). Com Pouso Alegre, a Rexam passará a contar com doze fábricas na região. A produção das latas especiais, que ocorre na fábrica de Jacareí, São Paulo, e na unidade da empresa na Argentina, passará a ser de 3 bilhões de latas ao ano com os investimentos na fábrica paulista.

Além disso, a empresa também aumentará a produção das latas tradicionais em Recife, Pernambuco, em cerca de 33%, passando a produzir 1,6 bilhão de latas ao ano. No Chile, a capacidade de produção será de 850 milhões latas/ano, com uma expansão de 21.4%.

Inovações aqueceram o mercado em 2009

Umas das maiores responsáveis pelo crescimento do mercado de latas para bebidas na América do Sul em 2009 foram as latas Sleek, que possuem formato diferenciado. A estimativa é que o mercado de bebidas na América do Sul tenha consumido cerca de 500 milhões de latas Sleek 9.1oz e 10.5oz – esta última lançada neste ano pela Rexam – produzidas exclusivamente pela Companhia na América do Sul. Este número demonstra que estas latas diferenciadas passaram a fazer parte das estratégias de marketing de diversas marcas para atender a demanda dos diferentes perfis de consumidores finais.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.