Chico revelado nas canções

O que leva alguém a parar numa determinada hora do dia ou da noite, rabiscar fragmentos de uma letra e agarrar no seu piano e violão e fazer uma canção, expondo muitas vezes toda a sua intimidade e sentimentos para milhares de pessoas? Que impulso de se eternizar que é esse através da música? E muitos conseguiram serem lembrados principalmente os mais clássicos. Do cancioneiro popular do Brasil músicas duram na cabeça dos ouvintes por várias décadas. E um desses compositores que se eternizaram no país é Chico Buarque.

E para quem gosta desse compositor, recentemente foi lançado um livro pelo responsável do site do compositor. O livro também um compêndio de interesse para quem gosta da obra de Chico e quer saber mais sobre as músicas.Ele conta histórias de mais de 130 canções, distribuídas em mais de 40 anos de carreira. O autor fez boa pesquisa em livros e jornais e conversou com o próprio compositor.

Nas canções podemos observar revelações de Chico que vão da ditadura às Diretas Já, da abertura à redemocratização, da censura aos movimentos populares que vêm da periferia, em todos esses momentos é possível ver a sua marca . Mas Chico foi também nosso maior compositor de canções de amor, de crônica social, de trilhas para teatro e cinema.

Um dos fatos mais curiosos é quando Chico apresenta o pseudônimo Julinho da Adelaide para driblar a censura; a já conhecida passagem de Chico pela polícia por furto de carro ou a narrativa da ligação entre mãe e filho, flagrada entre sua filha e o neto, Francisco, que adormece abraçado à blusa da mãe, que gerou a linda “Você, você”.

O livro “História de Canções – Chico Buarque”, de Wagner Homem é essencialmente um livro para fã ou para quem quer conhecer um pouco mais sobre o cancioneiro da MPB. Lançado no final do ano passado, o livro é sucesso de vendas.

Eduardo de Souza-Jornalista


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.

CAMINHANDOJUNTO

© Copyright - Todos os direitos reservados