Emprego temporário nas empresas áreas

Os últimos meses do ano são conhecidos pelo aumento na demanda de mão de obra em diversos setores, em especial o comércio, que tem por característica a contratação de funcionários temporários.

Segundo dados da Fecomércio/DF, apenas em Brasília, a estimativa é que pelo menos 3 mil vagas estejam abertas, à espera de candidatos. No Rio de Janeiro não é diferente: de acordo com a Fecomércio/RJ, 2009 registra um aumento de 5,4% de contratações em relação ao mesmo período do ano passado.

Porém, não é só o comércio que aumenta as contratações durante os últimos meses do ano. Para o setor de aviação, o fim do ano também é uma época de novos funcionários. “Os últimos meses de 2009, em especial, estão carregados de boas notícias para o setor. Temos o mercado pós crise, novas empresas e eventos à vista, como a Copa e as Olimpíadas. É o momento perfeito para os profissionais de Check In e comissários de vôo”, afirma o presidente do Centro Educacional de Aviação do Brasil, Salmeron Cardoso Jr.

A comparação entre os setores não é totalmente igual: enquanto as vagas disponíveis no comércio têm, em sua maioria, um tempo determinado de duração, as oportunidades no setor aéreo são todas efetivas. “Os novos comissários de vôo têm em mãos duas vantagens: além de não precisar ter um nível superior para iniciar o trabalho, há uma estabilidade típica na carreira. O trabalho não é temporário”, enfatiza Cardoso.

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil, a Anac, a demanda por vôos domésticos cresceu 42% em outubro deste ano, quando comparada ao mesmo mês de 2008. Além disso, há no mercado o surgimento de empresas nacionais que anseiam por mão de obra. Segundo Cardoso, para aproveitar os bons ares e as perspectivas positivas de contratação, é fácil. “Quem deseja seguir carreira, basta se especializar em uma escola de aviação. Após o curso, é fazer a prova da Anac e alçar vôo”, conclui.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.