Não feche os olhos para a música

Steve Wonder, Ray Charles, Andrea Bocceli. Sim, eles são deficientes visuais. E daí? O que a música tem haver com isso? Suas dificuldades de alguma forma fizeram que a sensibilidade ficasse ainda mais a flor da pele. Me lembrei até daquele herói em quadrinhos da Marvel: o Demolidor, que ao perder a visão desenvolve os outros sentidos de forma fantástica. Um exemplo de que cegos podem e devem atuar nessa área está na Escola de Música de Brasília (EMB), onde deficientes visuais aprendem canto popular, canto lírico, violino, flauta e viola caipira juntamente com outros estudantes. A escola é pioneira no ensino de música em braile no Brasil e recebe há 12 anos alunos que não enxergam. A técnica de leitura de notas em alto-relevo começa a ganhar adeptos em outros Estados brasileiros e até fora do País.
Curiosamente, o método braile de escrita e leitura, utilizado por cegos de todo o mundo, foi desenvolvido a partir da técnica de leitura de partituras, criada pelo francês Louis Braille, em 1829. A linguagem foi criada exatamente para tornar possível ler e escrever partituras. Braille foi um organista famoso na Europa em sua época. Sem enxergar desde a infância, acabou criando o método que permitia ler e compor músicas e, por tabela, escrever textos e ainda fazer representações matemáticas.
Pois é, o sistema braille foi usado por gente famosa, como Steve Wonder e Ray Charles. É maravilhoso, porque torna a leitura e a escrita da música mais fácil para os cegos do que para os que vêem.
Fundadora do Clube do Choro e uma das flautistas mais requisitadas da cidade, a deficiente visual Dolores Tomé é professora da Escola de Música de Brasília, onda coordena o ensino de musicografia braille para alunos cegos. Enfrentou dificuldades e incompreensões, mas conseguiu afirmar-se nesse campo tão difícil, reservado a pessoas de espírito verdadeiramente superior e generoso.
Busquem esse espírito, fechem os olhos e ouçam uma boa música.
Eduardo de Souza é Jornalista, Cantor, Compositor e hábil em perceber os detalhes da vida.

Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.