Você tem medo de que?

De não ser tão bom quanto seu pai dizia que você era, de perder o emprego, de ser traído pela esposa, de não ser um pai tão bom quanto seus filhos diziam que você era, de perder o emprego ou de não ser promovido ao cargo dos seus sonhos?
Você acorda cedo e sai de cada tentando não pensar nos problemas porque tem medo deles serem maiores do que sua fé nas soluções? Tem medo de morrer sozinho, de descobrir que seus amigos falam mal de você quando não está por perto, de um dia se olhar no espelho e confessar que não teve coragem de lutar por seus sonhos, de numa tarde de domingo cheia de tédio concluir que esta não é a vida que desejou para si.
Quando entra no trabalho percebe seu batimento cardíaco acelerar porque reconhece que não tem sido tão eficiente como a empresa espera? Vai para sua mesa e torce para o chefe nem perceber sua presença, espera que seus amigos também sejam ineficientes como você, reza para aquele cliente fechar uma boa compra e por milagre pagar à vista para ter dinheiro no banco quando os cheques caírem.
A todo o momento quando entra no carro novo comprado em 84 prestações, você sente um calafrio por não ter tanta certeza de que vai conseguir quitar a dívida. Entra no prédio em silêncio para o síndico não perceber sua presença, em casa não aumenta o som do rádio para os vizinhos acreditarem que está viajando, quando a campainha toca pensa logo que é mais uma notícia ruim.
Amigo, todos têm momentos assim e há um milhão de fórmulas para acabar com estas sensações que mudam de nome com freqüência: estresse, depressão, síndrome do pânico, nervosismo. Se alguma delas fosse realmente eficaz, não seria necessária a invenção de novas receitas e os livros de auto-ajuda não venderiam tanto. Certeza de que não irá cometer novos erros, não há. Certeza de descobrir uma maneira de viver sem problemas também. Só resta seguirmos em frente, lutando uma batalha de cada vez.
E você, tem medo do que?????

Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.