Nós seremos para sempre

A noite estava quente, mesmo com o inverno se aproximando, um calor estranho toma conta dele. No meio da madrugada o sono foi embora e desistiu de ficar na cama. Na tentativa de se refrescar foi até a janela olhar a rua, acabou atraído pelo brilho prateado da Lua, que como uma deusa vigia a noite.
Respirou fundo o ar frio e observou cada detalhe do astro brilhante. O mesmo asteróide que iluminou a noite de Napoleão na chegada às pirâmides, que inspirou Shakespeare nas peças mais apaixonadas, que viu a chegada e a queda dos dinossauros. Ela sempre esteve ali, no alto ao alcance das mãos, assistindo e tentando dizer que o tempo não é nada. Assistiu suas mais sinceras mentiras e também seus mais falsos sonhos, sempre esteve com ele.
Numa vida de tantas perdas, ela nunca foi embora como se dissesse que tudo voltará um dia ou que nada disso importa. Nenhuma raiva, nenhum amor, nenhum desejo é maior do que a eternidade, e ela têm todo o tempo para esperar. Então, seu recado ficou claro: paciência. Porque o ontem, o hoje e o amanhã não significam nada. Noite após noite ela brilhará no céu inspirando poetas e enxugando as lágrimas de amores acabados enquanto sonhos em pedaços são jogados no lixo.
Na noite seguinte, mesmo que nuvens pesadas roubem seu espetáculo, ela não desistirá e acima da tormenta abrirá seu manto prateado, e seguirá até encontrar céu limpo para junto com as estrelas compor mais um lindo quadro.
Encantado com as lições da vida despediu-se da Lua e foi se deitar, sabendo que um dia também abriria espaço entre as nuvens para mostrar toda sua luz.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.