Já ouviu falar de Voluntário à Distância?

Se você quer colaborar com uma entidade, mas tem dificuldades de se deslocar pela cidade ou dispõe de poucas horas semanais, o Instituto Gabi – Centro de Referência, Orientação e Atendimento a Pessoas com Deficiência – oferece uma boa oportunidade: você pode se transformar em um voluntário à distância. Essa é uma das maneiras de de auxiliar no atendimento às 60 crianças e adolescentes e permitir a abertura de vagas para as mais de 120 que estão na fila de espera.
Segundo o presidente da instituição, Francisco Sogari, “essa nova modalidade de voluntariado tem como facilitador a internet, que está onipresente no cotidiano das pessoas, por meio das diferentes ferramentas das redes sociais, comunidades, blogs, twitters, newsletters etc.”.
Sogari salienta a importância de distinguir o trabalho voluntário de outras ações de colaboradores, como doações de itens de uso na casa: “O apoio por meio de doações é sempre bem-vindo, mas ele tem começo, meio e fim. Já o trabalho voluntário tem como característica a continuidade, mediante um planejamento”.
Enquanto o voluntário presencial auxilia diretamente nos atendimentos, acompanhando os profissionais da entidade nas atividades da semana – como na cozinha, limpeza, manutenção da casa, bazar e doações – e nos finais de semana – organização e execução de eventos –, os voluntários à distância (hoje, aproximadamente 30) atuam principalmente nas áreas de comunicação (assessoria de imprensa, marketing, web design, diagramação etc.), administração e consultoria. “Atualmente, o Instituto Gabi precisa de voluntários à distância principalmente para atuar na área de web design e produção gráfica, para elaborar o material de divulgação de nossas campanhas”, observa Sogari.
Hoje, o time de voluntários presenciais ultrapassa 40: “Temos vários que atuam nas atividades durante a semana e nos finais de semana. Nossa maior necessidade é para a manutenção da casa, área de TI e nos bazares”.
A seleção de voluntário – sejam presenciais ou à distância – é feita mediante um cadastro. A diferença é que o voluntário presencial faz uma visita agendada, preenche o cadastro e assina o termo de adesão. Já o voluntário à distância preenche o cadastro eletrônico (que lhe é enviado), inscreve-se e o devolve com a adesão ao termo, de acordo com a Lei do Voluntariado, assinada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso em fevereiro 1998. “Esses procedimentos são previstos mesmo para quem só pode voluntariar nos finais de semana. Nesses casos, identificamos e conciliamos a disponibilidade e a necessidade”, reforça o presidente do Instituto Gabi.
O trabalho voluntário é fundamental para o Instituto Gabi, que durante os dois primeiros anos de atividades conseguiu manter-se somente com voluntários. “Hoje”, conta Sogari, “é praticamente impossível atender 60 crianças e adolescentes com deficiência, de segunda a sexta feira, durante quatro horas diárias, somente com voluntariado, que dedica cerca de 8 horas semanais. Precisamos de uma estrutura de profissionais remunerados, que hoje somam 18 e dos mais de 70 voluntários, presenciais e à distância. Eles nos dão um suporte fundamental e condições para dar a amplitude necessária ao nosso trabalho. Aumentar esse número com novos voluntários é uma de nossas metas”.

Para oferecer trabalho voluntário, deve-se estabelecer contato com o Instituto Gabi, pelo telefone (11) 5564-7709, pelo email [email protected] ou consultando o site www.institutogabi.org.br.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.