Quando uma idéia vira um bom negócio

Em termos globais, o segmento de alimentos orgânicos representa hoje uma indústria rentável e crescente, que movimenta cifras em torno de US$ 40 bilhões por ano, segundo a International Federation of Organic Agriculture and Movements (IFOAM).
No Brasil, apesar do potencial de nossa agricultura, a produção de alimentos orgânicos responde por apenas 0,63% deste volume mundial. Deste total, a lista de alimentos que sofreram transformação industrial e, portanto, tiveram um aumento do valor agregado, respondem por apenas 20% – um movimento de US$ 50 milhões.
De olho nas oportunidades oferecidas por este segmento, o alemão Gerhard Dannapel decidiu investir na produção de alimentos vegetais industrializados a base de soja no Brasil. Um pioneirismo que ajudou a consolidar a sua empresa Tofutura dentro de um segmento em franca expansão.
Tudo começou em 2003 quando Gerhard decidiu fixar residência pela segunda vez em Florianópolis (SC) – a primeira vez foi 1993. Técnico industrial por formação e apaixonado por culinária, ele aproveitou o trabalho de seis anos na Taifun, maior produtora de tofu da Europa e o então interesse desta empresa em atuar no mercado brasileiro para conhecer o potencial pouco explorado do mercado de alimentos orgânicos no Brasil.
Com a desistência dos europeus, ele resolveu levar o negócio adiante por conta própria, apostando no conhecimento adquirido ao longo da pesquisa. Ao lado de um sócio, investiu em alguns equipamentos e começou a produzir, de forma artesanal, variedades de tofus, burguers de soja e patês de tofu coma marca Samurai Tofu, distribuídos inicialmente em pequenas lojas de produtos naturais.
O rápido sucesso da marca no mercado nacional, com uma incrível média de crescimento de cerca de 400% ao ano e a conquista de espaço em grandes redes de varejo nas regiões sul e sudeste, se deve a aposta em um produto milenar como o tofu, comercializado em uma formula inovadora que permite uma maior durabilidade do produto – 70 dias -, sem prejuízos em suas valorizadas características nutricionais.
“Até a nossa entrada no mercado, o tofu brasileiro tinha no máximo 5 dias de validade”, explica Gerhard, que destaca também a consistência mais sólida e com o dobro de soja do tofus da Samurai Tofu, que o diferencia dos similares utilizados na culinária oriental.
Cada vez mais as gôndolas dos supermercados se modificam para atender aos anseios de um novo perfil de consumidor, voltado para produtos mais saudáveis e associados ao manejo sustentável dos recursos naturais – estima-se que o mercado nacional de orgânicos tenha um potencial de crescimento de 25% ao ano.
Atenta a esta oportunidade, a empresa passou a diversificar a sua produção: do Tofu Natural, surgiu a versão com Ervas Finas e posteriormente o Tofu Defumado e Tofu Premium. A linha de burguers à base de soja e tofu também foi ganhando novos temperos e versões, assim como a linha de patês de tofu, num mix que não para de crescer e proporciona uma alimentação saudável, 100% vegetal, livre de aditivos artificiais.
No início do ano, a mudança da sede mudou para a cidade de Campo Largo no Paraná – estado referência nacional na produção de orgânicos – em parceria com a Agrorganica, fornecedora exclusiva da soja orgânica utilizada nos produtos, foi um movimento de expansão natural da empresa dentro de seu mercado de atuação.
A conquista recente dos selos Ecocert/SVB (Sociedade Vegetariana Brasileira) – é a primeira empresa nacional a receber esta certificação – consolida também a relação de confiança e qualidade em todas as etapas de sua produção, perante o exigente público vegan.
Contudo, a empresa tem como meta disseminar o consumo de alimentos orgânicos no Brasil para um público mais diversificado – desvinculando a imagem associada apenas a produtos primários (não industrializados) e voltados para consumidores vegan. Para isso, a Tofutura confia nas ricas propriedades culinárias de seus produtos e nos benefícios decorrentes de uma alimentação mais saudável e nutritiva para todos os públicos.

Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.