A Magia das Canções nos Filmes dos Anos 80

Espero que alguém sinta a mesma emoção que eu ao simplesmente lembrar as músicas nos filmes dos anos 80. Uma década que foi considerada por muitos como pobre musicalmente, mas que deixou marcas profundas nos jovens que viveram naquele tempo. Começo com aquela que acredito ser uma das mais belas trilhas de cinema, do filme Blade Runner. Ela conseguiu uma perfeita combinação com aquele aspecto urbano conflitante. A atmosfera do filme é magistralmente enriquecida pela música do grego Vangelis. (O mesmo compositor de Carruagens de Fogo).

Já o grupo Queen encontrou a medida perfeita para expressar os sentimentos nostálgicos e a fúria guardada dentro de um homem que tinha apenas um sonho, viver e morrer como qualquer ser humano comum. O filme Higlander é obrigatório para os amantes da ação e da ficção e a música e canção Who Wants To Live Forever é inesquecível quando ouvimos e lembramos aqueles montes escoceses.

Nesta mesma linha, outro filme emplacou nos anos 80: Feitiço de Áquila. Quem não se emocionou quando no final do filme os dois amantes podem se ver como homem e mulher. É a mais original e bonita história de amor mostrada, com roteiro inspirado numa lenda do séc. XII. Durante à noite, ela se transforma num falcão e durante o dia, ele se torna um lobo. O único momento em que se vêem é durante poucos instantes no crepúsculo. E a música que embala é do progressivo Alan Parsons e da Orquestra Filarmônica de Londres.

Mas as garotas se apaixonaram mesmo foi pelo Daniel San , seu Karatê Kid e o meloso Peter Cetera e a canção The Glory of Love. (OBS: Até hoje tem gente que se pega imitando o protagonista em cima do sofá pulando num pé só).

Os kids se divertiram muito com outra história de herói adolescente em De volta para o futuro. E se hoje a moçada anda de skate ao som de Charlie Brown Jr. nos 80’s era a canção The Power Of Love de Huey Lewis e the News que embalava a galera da rampa.

“História sem fim” é embalado por uma trilha sonora fantástica. A música tema do Falkor, em especial, é lindíssima. Baseado em um livro de Michael Ende, a influência de História Sem Fim é imensa e pode ser percebida atualmente em discos de Heavy Metal. O Stratovarius, por exemplo, fez uma música baseada no filme (Fantasia, do álbum Elements Pt. 1), onde ouvimos a voz da Imperatriz Criança dizendo “Fantasia can rise in you”. Outras bandas também foram claramente influenciadas pela “estória que nunca termina”, como o Rhapsody e o Avantasia, apenas para citar os dois mais óbvios.

Ainda, redescobrimos a energia dos Beatles com a Twist and Shout no Curtindo a vida adoidado. Sonhamos com As the World Falls Down do David Bowie em Labirinto – A magia do tempo. Mais um da linha fantasia total que marcou a época o super clássico: A Lenda com trilha sonora e participação do prestigiadíssimo Yes.

Foram tantas emoções. Tente se lembrar de alguma. É tão bom. Faz bem pra alma.

Eduardo Souza é jornalista, fã incondicional dos anos 80 e toda sexta-feira anuncia aqui no Caminhando Junto a abertura do final de semana.

Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.