Sem Preconceitos

A música realmente é inspiradora e encantadora. Recentemente, um fato relacionado a ela esteve presente em todos os noticiários: a apresentação de Susan Boyle no programa de calouros britânico. A princípio todos riram de sua “diferença” mas depois aplaudiram de pé sua melódica extenção vocal. É o pré-conceito. Basta olharmos um pouco para o nosso país . Milton Nascimento e Nana Caymmi ,por exemplo, não são sinônimos de beleza mas segundo Caetano Veloso suas vozes são angelicais, imcomparáveis. Nem é preciso dizer que precisamos valorizar mais a capacidade e carisma das pessoas que propriamente sua estética.
Mas a música também rompe barreiras e une corações como podemos ver e ouvir no filme “O som do coração” (August Rush -2007- direção Kirsten Sheridan). Nele um garoto chamado August Rush é filho de um encontro casual entre Louis, um guitarrista de rock e Lyla , uma violoncelista clássica. Ele cresceu em um orfanato com a determinação de um dia encontrar seus pais através do som. Vale a pena ver e comprovar a importância das canções nos relacionamentos.

Falando em som, nesta semana acompanhei um momento mágico. O menino Edgar Fernandes Pereira Coelho, 3 anos, ouviu pela primeira vez através de um implante coclear, mais conhecido como ouvido biônico, e quando os eletrodos do implante foram ativados sua primeira reação foi um choro. Ele ainda não está acostumado aos barulhos mas com certeza vai amar quando ouvir sua primeira música. Agora o garoto vai aprender a falar, conversar e cantar sem preconceitos. A minha primeira reação ao ver o pequeno Edgar ouvindo, também foi um choro.

Música e sensibilidade devem caminhar sempre juntas.

Eduardo de Souza, é jornalista e apaixonado por música.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.