Jornalistas, blogs e o fim do jornal impresso

Imagine você, caro jornalista, que faz parte de um dos mais tradicionais jornais do país, é competente no que faz e já investiu uma grana em sua formação acadêmica. Tem um emprego que muitos colegas invejam, até que numa bela tarde, barulhenta dentro da redação, a direção do jornal informa oficialmente que a versão impressa do jornal será extinta. Acabou.
Foi isto o que aconteceu na redação do Seattle Post-Inteligencer, um veículo com 146 anos em circulação, que sobreviveu à quebra da Bolsa em 1929, a todas as outras crises econômicas e políticas mundiais, mas que sucumbiu à modernidade da Internet.
Que os jornais impressos estão rebolando entre o vermelho e o ponto de equilíbrio financeiro, não é novidade. O que é novo é o ponto em que o tema está chegando. Um dos mais conhecidos designers de jornais do mundo, Mario Garcia, escreveu no blog de sua empresa a seguinte previsão para os jornais americanos: “até 2011 cerca de 85% terão fechado as portas”.
A situação é irreversível, os meios de comunicação que querem sobreviver vem testando novas maneiras de convergir tecnologias e conteúdo, como eu mostrei no artigo “Como a web 2.0 vai ser usada na Globo“. Isto porque todos os principais institutos que medem a audiência dos veículos de comunicação na Europa já apontam: em 2010 a internet ultrapassa a TV.
Para os veículos a saída é óbvia: modernizar. Tanto em tecnologia de produção quanto em equipe de trabalho. Resta agora responder duas questões:
1- Como as faculdades estão se alinhando a isso? A sua faculdade ensinou você a entender a comunicação virtual? A criar um blog que seja? Você deve ler o artigo escrito por Géssica Hellman e o meu comentário em “5 Dicas para os Jornalistas“.
2- Como você está se alinhando a isto? O que tem lido? Com quem tem conversado? Apenas com os amigos de balada? Então pensa rápido e escolha que tipo de carreira você deseja.

Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.