Como a música afeta você?

Viver é afinar um instrumento
De dentro pra fora de fora pra dentro
…tudo é uma questão de manter a cabeça quieta
a espinha ereta e o coração tranquilo.
(Walter Franco)
Já começamos bem, começamos com música.
Quando fui convidado a escrever sobre música nesse blog fiquei desconfiado como bom mineiro, mas compreendi que falar desse assunto de
forma simples é pra poucos. Às vezes a letra nos remete a um antigo amor, outras a melodia nos traz paz (um sentimento quase infantil) e mais a harmonia da canção nos traz harmonia para o coração, e por aí vai. O que não podemos negar é que a música está presente em todos os bons e maus momentos da vida.
Você sabia que com base no achado de flautas de ossos feitas há mais de 53 mil anos pelos neandertais pesquisadores estimam que a música deve ter pelo menos 200 mil anos – contra os 100 mil anos de vida do Homo sapiens, ou seja a música veio antes do ser humano propriamente dito.
Um amigo me disse uma vez que seria muito interessante se nosso dia-a-dia fosse como um videoclipe. Então, vai dizer que nunca se imaginou dentro de um clipe com a canção que mais adora. Eu mesmo quando ia pra faculdade de ônibus me imaginava assim e às vezes sem querer soltava uns solfejos no meio de todo mundo (uns lá,lá, lás, entende?).
Como nunca podemos deixar de falar em sexo, a primeira hipótese sobre a função da música foi do biólogo Darwin. Para ele, a música determina a escolha de parceiros sexuais, já que as fêmeas são atraídas pelos melhores cantores. Parece brincadeira mas a mulher liga sensibilidade musical do homem com nobreza de sentimentos. Se você é homem fique mais esperto para essa teoria.
O que não podemos negar é que a música provoca sensações diferentes, no bebê faz dormir, no jovem faz dançar, no adulto faz amar, no idoso faz refletir.
No mundo moderno tem música para estudar, pra enfrentar trânsito, freqüentar academia e até para rezar. Aliás, cantar é rezar duas vezes ou orar como os anjos.
A mesma canção pode fazer chorar de saudade e chorar de alegria. É uma magia. E desta magia que vamos conversar sempre, lembrando de letras bem elaboradas, a melodia mais simples, dos diversos ritmos e segmentos dessa antiga senhora sempre presente e eterna em mim e você.
Eduardo de Souza, é mais do que um grande amigo, jornalista ainda capaz de olhar para as coisas simples da vida como se fossem grandes eventos, carrega a esperança de que as pessoas são mesmo naturalmente boas. Espero poder contar com a presença dele, mais vezes aqui no Caminhando Junto.


Este artigo pertence ao Caminhando Junto Blog.
Plágio é crime e está previsto no artigo 184 do Código Penal.